Uma arte de sobrevivência e defesa pessoal

O Krav Maga ensina a reagir com segurança independente do cenário de agressão

10/05/2017


A necessidade de sobreviver em meio à Segunda Guerra Mundial motivou Imi Lichtenfeld a desenvolver uma técnica que permitisse tanto a defesa, quanto o combate, usando apenas o seu corpo como ferramenta, em qualquer situação. Percebeu que seus movimentos naturais, bem como seus pontos fracos, eram semelhantes aos de seus adversários e que essa consciência corporal poderia ser usada a seu favor. Assim nasceu o Krav Maga, em meados da década de 1940, em Israel.

 

Baseado em quatro princípios – coragem, equilíbrio, paciência e respeito – o Krav Maga foi rapidamente incorporado ao serviço militar israelense e, anos depois, ganhou o mundo como uma filosofia de defesa eficiente em qualquer situação, independente da força, preparo físico, tamanho ou arma utilizada pelo agressor. “Todos os cenários de agressão são diferentes e o Krav Maga é a única arte que te prepara para sobreviver e reagir em todos eles”, conta Gerson Madlener – investigador da Polícia Civil do Paraná e instrutor da Federação Sul Americana de Krav Maga.

 

A capacitação do homem é o que define o resultado da batalha

 

As grandes corporações, como CIA, FBI, unidades da SWAT, BOPE (Batalhão de Operações Policias Especiais), Forças Especiais do Exército, Operações Especiais dos Fuzileiros Navais, Polícia do Senado Federal, Polícia Civil, Polícia Militar e outros, enxergaram no Krav Maga a oportunidade de solucionar conflitos sem o uso de armamento e, principalmente, de preservar a vida de seus agentes durante as operações. “O agente tem que se colocar em segurança primeiro e, só então, realizar o seu trabalho”, explica Madlener.

 

Entretanto, as aulas regulares em academias não são suficientes para o preparo de forças de segurança – militar, policial ou privada -, uma vez que esses profissionais se deparam com níveis de risco e exigências completamente diferentes do mundo civil. Por isso, existem módulos de treinamento desenvolvidos especialmente para o ramo da segurança, em que o profissional aprende a utilizar as técnicas sob intenso estresse físico e mental, condicionando-o para atuar com eficácia, garantindo a proteção pessoal e de terceiros.

 

A proposta do Krav Maga para forças de segurança é ensinar o agente a usar o próprio corpo na defesa, na proteção e no ataque, usando o seu armamento com instrumento, sem a realização de disparos, ou seja, de forma não letal. A técnica, que traz respostas objetivas e de simples execução nas mais diversas situações, é baseada no autocontrole – emocional, motor, racional e reacional. É a combinação desses quatro fatores que determinará a execução do movimento exato para o contexto e o desfecho de qualquer situação de agressão.




Outras notícias