Melhor amigo do homem

Sargento Francisco Alexandre Filho

24/02/2016


O sargento Alexandre, de 46 anos, sabe o valor de uma grande amizade. Atualmente, trabalha no 18o Batalhão na Zona Norte da cidade de São Paulo, onde, próximo dali, mais especificamente em um posto de gasolina, começou uma parceria de mais de 4 anos com Cabo Pitoco, um cachorrinho vira-latas que vive querendo passear de viatura.

A cumplicidade dos dois extrapolou os limites do bairro e ganhou as redes sociais. Pitoco virou febre na internet e é considerado, por muitos policiais, o mascote da PM paulista. O carisma de seu fiel companheiro permitiu que Alexandre identificasse em Pitoco a oportunidade de unir sua vocação para cuidar da segurança da comunidade à sua paixão pelos animais.

O sucesso meteórico dessa amizade se tornou uma poderosa ferramenta de comunicação para mobilizar pessoas. Hoje, as páginas do Cabo Pitoco e do sargento Alexandre no Facebook juntas passam de 400 mil seguidores que são constantemente estimulados a se solidarizarem com animais abandonados e pessoas que precisam de ajuda.

Combustível para todas as horas

A amizade entre Alexandre e Cabo Pitoco cresceu aos poucos. O policial parava no posto de gasolina para abastecer regularmente e, toda vez que chegava com viatura, o cachorrinho, que dormia no posto, ficava contente.
Aos poucos a confiança entre os dois foi aumentando. Em um desses encontros, Alexandre fez um vídeo registrando sua amizade e postou na rede social. Foi nesse momento que Cabo Pitoco partiu para o estrelato.

O sargento, por sua vez, também aproveitou a fama do cãozinho para promover a aproximação entre a comunidade e a Polícia Militar. Uma das iniciativas foi a campanha “A ração do coração”, onde pessoas interessada podem doar rações pelo site www.petlove.com.br.

O projeto chega a receber diariamente 200kg de ração distribuída a cuidadores de animais abandonados da região. “Estamos ajudando a cuidar de 1.000 cães. Conhecemos os cuidadores, todos trabalham arduamente com muito carinho e respeito pelos cachorrinhos de rua”, conta o sargento.

Alexandre e sua equipe também promoveram, desde maio de 2015, cinco reuniões de cuidadores com a comunidade, usando a base da Companhia da PM como ponto de encontro. “As pessoas trazem suas doações, trocam ideias, contatos e usam a PM como o elo de uma ação positiva. Desde maio do ano passado, já conseguimos arrecadar 1,5 tonelada de alimentos só com os encontros. Isso nos traz muito orgulho”.

Mais que um cãozinho famoso

Cabo Pitoco é muito participativo. Ele tem marcado presença em diversos eventos em outras unidades da Polícia Militar. No 2o Batalhão de Choque, o cãozinho foi fundamental para promover atividades lúdicas na recepção de crianças em tratamento de câncer.

A bordo de uma motocicleta, o estiloso Cabo Pitoco também participou dos desfiles de 7 de setembro do ano passado ao lado de seu grande amigo.

Suas benfeitorias não param por aí. Sua página no Facebook (Cabo Pitoco) é pura utilidade pública. Por lá, vemos um serviço de divulgação de fotos de cachorros perdidos e veterinários dando dicas de saúde e bem estar para animais.

O sargento e seus companheiros da PM também fazem campanha para arrecadar doações a um abrigo de idosos na região. “A gente leva o Pitoco e outros cãezinhos para alegrá-los. Conversamos e ajudamos em tudo que é preciso. Todo idoso tem uma história e merece que seja tratada com total respeito”, observa o Sargento.

História de Vocação

Antes de Cabo Pitoco, Alexandre também vivenciou momentos importantes, onde construiu suas convicções do que é ser policial. Alexandre começou servindo a Marinha no Rio de Janeiro e depois, em 1989 aos 19 anos, ingressava na PM paulista. Ainda soldado, teve uma das maiores emoções da vida.

Ao ser chamado para transportar uma grávida ao hospital, deparou-se com uma situação inesperada. “A moça já estava em trabalho de parto. Entramos na casa e ali, sem muito aparato, ajudamos a mãe a trazer a criança ao mundo. Tive o privilégio de cortar o cordão umbilical. É uma vida nova, surgindo ali, nos teus braços. Ser policial é cuidar o melhor possível das pessoas que precisam da gente”, afirma o sargento.

Alexandre também teve muita experiência no combate ao crime. “Na PM, todo dia tem uma missão diferente. A gente tem que ter na mente e no coração a vontade de se doar. A vontade de fazer justiça, de trabalhar para acabar ou diminuir a dor de quem necessita de ajuda”, reflete o policial.

Ele complementa sua visão com uma percepção humanista de sua profissão. “Nós temos anseios como qualquer cidadão comum. Ficamos felizes, ficamos tristes. A grande diferença é que somos guardiões da sociedade, precisamos sempre nos doar mais. A vocação para mim é isso: dedicação para que as histórias tristes mudem e tenhamos sempre capítulos melhores”, finaliza o Sargento.



Sargento Francisco Alexandre Filho
Ao lado do carismático Cabo Pitoco, o policial ajuda ONGs e protetores dedicados à causa animal



Compartilhe essa história para condecorar esse

História de Fibra

Outras histórias de Heróis de Fibra